Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

Fale conosco via Whatsapp: +55 81 993472621

Com alta taxa de mortes por Covid-19, Iputinga tenta se adaptar à quarentena

À beira da quarentena decretada pelo Governo do Estado para diminuir o contágio do novo coronavírus, o bairro da Iputinga, Zona Oeste do Recife, tenta, a duras penas, se adequar ao novo contexto. Na tarde desta quinta-feira (14), o movimento ainda era intenso na Rua José Anastácio da Silva Guimarães, uma das principais da comunidade do Caiara, área com grande circulação de pessoas no bairro. Segundo o Boletim Epidemiológico publicado diariamente pela Prefeitura do Recife, até o dia 13 de maio a Iputinga tinha 15 mortes pelo novo coronavírus. Ao todo, foram 124 casos de Covid-19, doença causada pelo vírus, no bairro. Cerca de 12% dos casos foram fatais.
A perspectiva do isolamento mais rígido já surtiu alguns efeitos no comércio local da Iputinga. Nos pequenos comércios locais é comum ver placas orientando as pessoas a usarem máscaras. Alguns estabelecimentos, mesmo os que não estariam autorizados a abrir durante a pandemia, como lojas de cosméticos, estão atendendo seus clientes um a um, sem deixar as pessoas entrarem. Por isso, é comum observar filas se formarem diante das lojas.
Maria Helena, 27, é atendente de uma padaria localizada na rua. Ela afirma que conseguiu perceber algumas mudanças depois do surto de Covid-19. “O movimento aqui é principalmente no fim da tarde, quando tem pão novo. Antes vinham muitos idosos nesse horário comprar o pão, agora diminuiu muito”, afirmou. A padaria onde Maria Helena trabalha estava com avisos em cartolina orientando a clientela.
“Há 15 dias um homem, cliente nosso, morreu com esse coronavírus. A gente tenta tomar todos os cuidados aqui. Também tem uma pia onde quem vem comprar pode lavar as mãos”, disse Maria Helena. A trabalhadora lamenta a falta de cuidado de algumas pessoas diante da pandemia. “Tem alguns que mesmo com a quantidade de casos ainda insistem em não seguir as orientações, mas acho que estão se tornando minoria”, disse Maria Helena.
A atendente Ana Carolina, 27 anos, trabalha em uma pequena loja de bolos pouco depois da padaria visitada pela reportagem. Ela afirmou que está empregada no estabelecimento há um ano, e recebe ajuda do primo, Arthur Gabriel, de 15 anos. Ambos usam touca e máscara e mostram uma garrafa de álcool 70% ao lado do balcão, com a qual dizem se higienizar “toda hora”.
“Todo mundo aqui conhece alguém que já pegou esse vírus”, disse a funcionária. “Temos muito medo de pegar essa doença. Muita gente está pegando e as pessoas ainda tomam pouco cuidado. Um idoso conhecido aqui estava no Imip, na UTI, e faleceu. Só aqui perto tem três pessoas que morreram com esse coronavírus”, afirmou Ana Carolina.
O conferente de medicamentos Givanildo Oliveira, 45, alega existir uma falta de atenção por parte do poder público para com o bairro da Iputinga, e em especial para a comunidade do Caiara. “Essa área daqui, amigo, só existe para os políticos em época de eleição. Eles dão prioridade a Boa Viagem, Casa Forte, os lugares mais ricos”, reclamou.
Oliveira mora com a mãe, de 72 anos, que está no grupo de risco do novo coronavírus. Ele está há 45 anos no bairro. “O pessoal até quer seguir as orientações, mas não tem água encanada, como é que vão lavar as mãos? Fora que você pode ver, o esgoto na rua, as crianças brincando no meio da sujeira. Assim fica muito difícil”, lamentou.
O trabalhador acompanhou a reportagem por dentro da parte mais carente do Caiara. Muitas famílias estavam nas vielas apertadas, em frente às suas casas, por trás do conjunto residencial localizado em frente à Unidade de Saúde da Família da comunidade do Skylab. “Aqui não chega nada, tem muita criminalidade. Tem casas aqui que não tem nem televisão, as pessoas nunca vão ter informação que preste assim”, disse Givanildo.
Até o dia 12 de maio, segundo o Boletim Epidemiológico da capital pernambucana, o Recife totalizou 7.757 casos confirmados para Covid-19, sendo 3.819 casos leves da doença e 3.938 casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG). Destes, 479 evoluíram para o óbito.

Deixe seu comentário:

Menu

Texto

Por isso não tema, pois estou com você;
não tenha medo, pois sou o seu Deus.
Eu o fortalecerei e o ajudarei;
eu o segurarei
com a minha mão direita vitoriosa.
Isaías 41:10